Posts marcados ‘tábus’

Como árvores viram tábuas

O corte dos troncos dá origem a peças como pranchas e tábuas. A partir delas também é possível obter outras peças menores.

Até chegar ao canteiro, a madeira passa por um processo que começa ao escolher como tirá-la da floresta e como será o ciclo de exploração. Ou seja, se uma área é explorada hoje, só voltará a ser cortada daqui a dez ou até 60 anos para que dê tempo da mata se recuperar.

Há técnicas de corte de árvore que consideram a direção da queda, a presença de árvores remanescentes e clareiras naturais, o que facilita a retirada da tora da floresta. A altura ideal do corte, por exemplo, é de 20 cm. Assim não sobra madeira aproveitável no toco.

A qualidade da madeira é influenciada pelos equipamentos. Se o maquinário da indústria for inadequado ou obsoleto, a eficiência de conversão das toras em madeira serrada será menor. Ou seja, a mesma árvore vai gerar menos madeira.

Estudo do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), no Pará, indica que apenas 36% do volume de uma tora é transformado em madeira serrada. Além disso, das 11 fábricas estudadas, a média de variação da espessura das tábuas produzidas foi de 4,3 mm. Ou seja, ao comprar uma tábua, a construtora corre o risco de receber um material menor que o especificado.

Processo de fabricação

A pesquisadora Maria José de Andrade Casimiro Miranda, responsável pelo Laboratório de Madeira e Produtos Derivados do Instituto

Apesar do tratamento contra insetos e fungos antes do processamento na indústria, a madeira incorporada à obra – como a desse deck – precisa receber tratamento preservativo, com manutenção periódica

de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), conta que após o corte a árvore é cortada em partes menores. Se a madeira for para uso temporário, como escoramento de lajes, por exemplo, não é preciso retirar nem a casca.

Em serrarias, as toras são transformadas em peças de formatos retangulares ou quadrangulares, de variadas dimensões (pranchas, pranchões, blocos, tábuas, caibros, vigas, vigotas, sarrafos, ripas e outros).

 

A madeira pode ser transformada em pranchas ou pranchões que possam, eventualmente, ser reprocessados para obter peças menores. Dessas toras é possível obter, por exemplo, vigas ou vigotas com formas retangulares, espessura maior que 40 mm, largura entre 110 mm e 200 mm e vários comprimentos.

As tábuas dão origem a quase todas as outras peças de madeira. Em geral, têm forma retangular e espessura entre 10 mm e 40 mm, largura superior a 100 mm e comprimento variável. Normalmente são geradas a partir das toras e das pranchas e podem ter múltiplas aplicações (caibros, ripas e sarrafos).

Produtos de madeira de maior valor, como forros, lambris, peças para assoalhos, batentes e portas, dependem de mais processamento, com usinagem das peças. Além disso, passam pela etapa da secagem, que minimiza a ocorrência de problemas, como empenamentos ou deformações.

 

Tratamento

A pesquisadora Gisleine Aparecida da Silva, do Laboratório de Preservação de Madeiras e Biodeterioração de Materiais do IPT, explica que as madeiras usadas na construção podem passar por diferentes tipos de tratamento:

» Pré-tratamento: superficial, protege a madeira recém-serrada contra fungos e insetos xilófagos apenas durante a secagem. As

A obtenção da maior quantidade possível de tábuas, sarrafos e ripas de madeira só é possível com o estudo de cada tora retirada das florestas

pranchas são mergulhadas em tanque com fungicidas e inseticidas e não protege a madeira quando em uso.

» Tratamento preservativo: usa produtos que protegem contra organismos xilófagos, prolongando sua vida útil. É feito de acordo com as condições de exposição. Peças com finalidade estrutural podem passar por tratamento sob pressão, realizado em autoclaves, onde a madeira é impregnada com fungicidas e inseticidas. Após o tratamento, as peças passam por máquinas que eliminam deformações, dando o acabamento desejado. Ao chegar à obra, a madeira é entregue sem proteção superficial e a pintura ou envernizamento definitivo é feito depois da instalação.

Ligações
As ligações são elementos fundamentais numa estrutura de madeira, pois os esforços são transmitidos por elas. Para dimensionamento e execução deve ser consultada a NBR 7190:1997 – Projeto de Estrutura de Madeiras, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Além da escolha da espécie de madeira, com verificação do teor de umidade compatível com o local, é preciso controlar defeitos como rachaduras, nós, furos, apodrecimento, desalinhamentos, esmoados e fissuras de compressão. A precisão nos furos na disposição dos conectores contribui para melhorar a resistência e a durabilidade.

 

Nuvem de tags